Dia da Mulher na Ciência: veja 4 dicas de como incentivar as meninas nesta área

Foto: Museu de Geociências da USP, São Paulo

Dia 11 de fevereiro é o Dia Internacional da Mulher na Ciência. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas para celebrar e homenagear o trabalho de grandes cientistas mulheres e incentivar meninas a entrar para essa linha de profissão, já que a presença feminina no cenário científico ainda é bem pequena.

LEIA TAMBÉM:
10 coisas que ninguém precisa ter em casa depois dos 30

Aproveite a data para incentivar sua filha a se interessar mais por ciência. Quem sabe, no futuro, ela não vire uma grande pesquisadora que faça a diferença na vida das pessoas, não é?

1 – Leve a sua filha a museus
Ir ao museu é uma atividade divertida, que pode ser feita em família e sempre tem novas programações acontecendo. As crianças podem aprender brincando, de forma mais lúdica e visual, complementando o aprendizado da sala de aula. E a pluralidade de exposições mostra as várias opções de ciência pelas quais ela pode se interessar.

2 – Inscreva-a em cursos
É importante tirar da cabeça que existe curso “de menina” e ter em mente que elas também podem se interessar por computação, biologia, engenharia etc. As áreas consideradas masculinas estão precisando de mulheres, e, mesmo que a menina não siga a área do curso como carreira, aprendizado nunca é demais. Toda menina deve saber que pode ser o que quiser!

3 – Incentive a leitura
Leitura é uma das melhores fontes de informação, seja em livros, jornais, revistas e também na internet. Desde ficção científica, com histórias sobre astronautas, espaço, exploradoras, e etc. até revistas sobre curiosidades e experimentos. E dê o exemplo: essa é a melhor forma de incentivar uma criança a ler.

4 – Apresente heroínas da vida real
Além das princesas da ficção, que tal ler e assistir vídeos sobre as mulheres que fizeram – e fazem – a diferença na vida real? Apresente cientistas importantes e seus feitos mais legais, mostrando como os trabalhos dessas mulheres podem mudar o mundo. Alguns exemplos são a botânica e médica Hildegard de Bingen, a primeira programadora do mundo, Ada Lovelace, ou a química e física Marie Curie, primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel (de química) e primeira pessoa e única mulher a ganhar o prêmio duas vezes.

Fonte: Peixe Urbano