Pai processa YouTube para proteger seus filhos

Pai decide processar YouTube para proteger seus filhos
Imagem de Kelly Sikkema por Unsplash

Com a nova Lei Geral de Proteção de Dados, que entrou em vigor setembro deste ano, muitos brasileiros se tornaram mais conscientes dos dados que compartilham na internet. Na Europa, o GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, em português) faz um papel similar, sendo um rigoroso conjunto de regras sobre privacidade, principalmente, dos dados de crianças e adolescentes.

Sabendo disso, o inglês Duncan McCann, pai de três crianças, decidiu entrar com uma ação judicial contra a plataforma de vídeos YouTube pela coleta ilegal de dados de seus filhos e de mais 5 milhões de crianças do Reino Unido, conforme relata uma reportagem do site Tilt.

Veja também:

Cartilha ensina crianças a se protegerem contra abuso sexual
SBP alerta para prevenção de queimaduras por álcool gel
Homem-Pateta: polícia alerta pais sobre perigo no Facebook

O processo, que se iniciou no começo do ano, só se tornou público em 14 de setembro e inclui os nomes de todos os pais de menores de 13 anos da Inglaterra e do País de Gales.

O YouTube, apesar de ter uma plataforma direcionada apenas à menores de idade, chamada YouTube Kids, vem sofrendo pressões para melhor proteção das crianças, que estão expostas aos mais diversos conteúdos impróprios. Em 2019, por exemplo, foi revelado que pedófilos usavam as áreas de comentários dos vídeos para trocar informações sobre erotização do conteúdo. A plataforma também sofreu críticas em relação à falta de moderação de publicidade. Algumas medidas foram tomadas desde então, como o fechamento dos comentários e a desmonetização de canais voltados ao público infantil.

Se a Justiça der ganho de causa a McCann, o Google poderá ser obrigado a pagar mais de 2 bilhões de libras esterlinas (cerca de R$ 14 bilhões). O alto valor se deve a ação ter caráter coletivo.

Leia a reportagem completa no site da Uol aqui.