0

Dicas para fazer a transição do berço para a cama

berço para cama

Como eu falei em um texto anterior, o período que vai dos dois aos três anos é cheio de mudanças na vida de uma criança. Geralmente é com essa idade que a fala se desenvolve bastante, que a criança deixa de usar fralda e, muitas vezes, larga a chupeta e a mamadeira.

Leia também:
Dicas para um desfralde sem traumas
Carinho ajuda no desenvolvimento cerebral das crianças

Também é mais ou menos nessa idade que as crianças costumam deixam o berço e passam a dormir na cama. Veja nossas dicas de como passar por mais essa mudança da forma mais tranquila possível.

– Se você, que está lendo esse texto, ainda está grávida, considere comprar um berço que se transforma mais tarde em mini cama. Existem vários modelos desse tipo no mercado. Nós optamos por ele porque assim estendemos a vida útil do móvel. As mini camas poderão ser usadas até uns cinco anos, mais ou menos, dependendo do tamanho da criança.

– Se você vai comprar um móvel novo, você pode optar ou por uma mini cama, ou por uma cama de solteiro normal. A mini cama ocupa menos espaço, é mais aconchegante e aproveita o mesmo colchão do berço. Já a cama de solteiro pode ser uma boa opção para crianças muito grandes e vai ser aproveitada por muitos anos. Vai depender do seu gosto e necessidade.

– Não tem idade certa para passar para cama. Geralmente os pais fazem isso quando percebem que a criança é capaz de saltar do berço e está colocando sua segurança em risco. Fique atento aos sinais e faça a mudança antes que um acidente aconteça. Foi isso o que aconteceu aqui com meus gêmeos de dois anos e cinco meses. Começamos a perceber que eles estavam ameaçando escalar as grades (principalmente o menino, que é maior), então achamos melhor fazer logo a transição.

– Antes de trocar o berço pela cama, avise a criança sobre o que você vai fazer com alguns dias ou semanas de antecedência. Converse bastante, explique que ela está crescendo e vai precisar de mais espaço. Repita essas informações várias vezes. De jeito nenhum faça a transição do dia para a noite, sem avisar antes.

– Considere começar a transição em um fim de semana. Pode ser que seu filho estranhe a nova cama e acorde durante a noite, ou chore, e vai ser mais fácil lidar com essa situação se você não tiver que acordar cedo para trabalhar no dia seguinte.

– Escolha uma cama com proteção ou compre grades móveis para garantir que a criança não caia.

– Geralmente a criança demora uns dias para perceber que agora ela pode sair da cama sozinha. Aqui a situação é curiosa: faz um mês que fizemos a transição e o menino já sai sozinho quando acorda de manhã. Já a menina não, sempre que ela acorda ela nos chama para tirá-la da cama. É importante deixar o caminho livre de objetos perigosos e lembrar que seu filho pode ficar à solta pela casa sem você perceber. Por exemplo, deixe a porta dos banheiros trancadas, tomadas protegidas e gavetas trancadas ou com travas, se você ainda não tomou essas medidas na sua casa.

– Tenha paciência se a criança ficar saindo da cama toda hora. Coloque-a de volta, converse, mas sem se alterar. Se ela perceber que esse comportamento chama muito a atenção dos pais (seja de forma positiva ou negativa), ela tende a querer repeti-lo.

– Se a transição estiver difícil, vale tentar deixar a cama mais atraente. Coloque os bichos de pelúcia favoritos na cama, ou compre roupas de cama de personagens dos quais seu filho gosta. Ou leve a criança para ela mesma escolher seus novos lençóis.

Foto: Juliana Tiraboschi / Todos os direitos reservados

0

Estreia documentário sobre a importância da primeira infância

Estreia nesta quinta-feira, em circuito nacional, o documentário “O Começo da Vida”. O filme, dirigido por Estela Renner, trata da importância dos primeiros anos de vida. A produção traz depoimentos de especialistas e famílias sobre como a primeira infância é essencial para o futuro. As histórias são retratadas em nove países: Brasil, Argentina, Canadá, China, Estados Unidos, França, Índia, Itália e Quênia.

O filme parte do princípio de que os bebês são os melhores “cientistas” do mundo, absorvendo todas as informações que encontram pela frente e explorando o ambiente ao seu redor. A produção mostra que as crianças pequenas aprendem sobre a vida e o mundo principalmente a partir da interação com outros seres humanos, especialmente com a família.

Veja o trailer do filme:


A produção convida à reflexão: estamos cuidando bem desse período tão importante, que define tanto o presente quanto o futuro da humanidade? “Queremos que o filme seja um agente de transformação e uma ferramenta para os pais”, disse Luana Lobo, sócia e diretora de distribuição da Maria Farinha Filmes, responsável pelo documentário, em encontro com jornalistas nesta quarta-feira.

Segundo Luana, a produtora teve a preocupação de convidar diversas empresas para apoiarem o filme com o objetivo de conscientizarem o mundo empresarial para a importância da primeira infância, já que uma das maiores dificuldades dos pais e mães modernos é conciliar a vida profissional com os cuidados com os filhos. “As empresas têm de ser parte desse movimento de transformação”, disse.

Um dos aspectos mais interessantes do filme é mostrar contrastes e semelhanças entre realidades completamente distintas. “Você vê o depoimento da Gisele Bündchen e de uma mãe que vive em uma ocupação, e ambas criaram o mesmo vínculo afetivo com seus filhos”, disse Ana Estela Haddad, coordenadora da São Paulo Carinhosa, ação da prefeitura da capital voltada ao desenvolvimento da primeira infância.

A Maria Farinha firmou parceria com a São Paulo Carinhosa para promover exibições gratuitas e abertas ao público, com foco em educadores, agentes de saúde, conselheiros tutelares e famílias. “O filme resgata o lugar da família, e não necessariamente em sua configuração tradicional”, disse Ana Estela.

comeco_vida_2

Luana Lobo, Ana Estela Haddad e Maria do Rosário Ramalho, secretária de Cultura de São Paulo 

Para Luana, como o filme faz parte de um movimento social, a ideia é fazer o documentário chegar ao máximo de lugares possíveis, daí a parceria com a São Paulo Carinhosa. “Somente 10% das cidades no Brasil têm cinema e apenas 1% das salas está na periferia”.

Além das exibições promovidas pela prefeitura de São Paulo, o filme poderá ser visto gratuitamente em diversas salas comerciais de cinema, como Itaú Cinemas e Cinemark, que promoverão sessões abertas do filme até o dia 8.

O público das cidades onde o documentário não está em cartaz nos cinemas poderá ver o longa por meio da plataforma online Videocamp.

“O Começo da Vida” tem apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, da Fundação Bernard Van Leer, do Instituto Alana e da Unicef.

A produtora Maria Farinha Filmes também é responsável por outros filmes com temática relacionada a infância, como “Criança, a Alma do Negócio”, “Muito Além do Peso”, “Tarja Branca – A Revolução que Faltava” e “Território do Brincar”.

Saiba onde assistir ao filme gratuitamente:

– PROGRAMAÇÃO DAS SESSÕES GRATUITAS EM CINEMAS COMERCIAIS

– LANÇAMENTO DO LONGA “O COMEÇO DA VIDA”
Quinta-feira, 5 de maio, às 15h
CEUS Butantã, Meninos, Jaçanã, Quinta do Sol, São Rafael, Capão Redondo, Parque Veredas Vila Rubi. Todas as sessões serão seguidas por debates. Veja endereços e programação aqui.
Presença da diretora do filme, Estela Renner, e Ana Estela Haddad, coordenadora da São Paulo Carinhosa, na exibição no CEU Veredas.
Rua Daniel Muller, 347, Itaim Paulista
ATENÇÃO: Retirar os ingressos uma hora antes; sujeito a lotação da sala

– CINE DIREITOS HUMANOS
Sábado, 7 de maio, às 11h
Shopping Frei Caneca – Espaço Itaú de Cinema
Rua Frei Caneca, 569
ATENÇÃO: Retirar os ingressos uma hora antes; sujeito a lotação da sala.

– CINE DIREITOS HUMANOS
Quarta-feira, 11 de maio, 19h
Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes
Avenida Inácio Monteiro, 6900, Cidade Tiradentes
ATENÇÃO: Retirar os ingressos uma hora antes; sujeito a lotação da sala

Acesse o site oficial do documentário para saber onde mais o filme estará em cartaz, em todo o país.

2

Carinho e atenção ajudam no desenvolvimento cerebral das crianças

Um estudo da Universidade de Washington sugere que receber carinho e atenção das mães na primeira infância estimula um crescimento maior no hipocampo, área do cérebro associada ao aprendizado, memória e resposta ao estresse.

O estudo foi publicado na semana passada na edição online na revista acadêmica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os pesquisadores estudaram uma série de exames cerebrais de crianças, da idade pré-escolar até a adolescência, e encontraram um aumento significativo no volume do hipocampo das crianças cujas mães davam mais apoio a elas.

Essa pesquisa é a continuação de um estudo que já havia encontrado ligações entre o carinho materno e um hipocampo aumentado. Nessa nova etapa, 127 crianças foram submetidas a exames de ressonância magnética do momento em que começaram a frequentar a escola até o início da adolescência.

Para medir o nível de apoio oferecido os pesquisadores observaram a interação entre as mães e seus filhos durante uma tarefa. As crianças recebiam um presente, mas só podiam abrir o embrulho depois que a mãe terminasse de preencher um longo formulário.

Estudo_luby_washington

Pesquisadora observa interação entre mãe e filho

As mães que conseguiram realizar sua tarefa enquanto aplacavam a ansiedade dos filhos, dando atenção a eles de forma carinhosa, foram consideradas as que mais deram apoio, e suas crianças foram as que apresentaram o hipocampo aumentado. “Essa é uma situação que gera estresse, como outras que acontecem várias vezes ao dia, como quando as mães estão cozinhando e a criança quer atenção”, afirma a psiquiatra Joan Luby, autora principal do estudo.

“A relação dos pais com os filhos nesse período pré-escolar é vital, ainda mais importante do que quando a criança é mais velha”, diz Luby. “O cérebro das crianças mais novas tem mais plasticidade, o que significa que ele é mais afetado pelas experiências no início da vida”, afirma.

Minha única ressalva a esse tipo de estudo é que geralmente ele é feito apenas com as mulheres. Por mais que os pesquisadores ressaltem que a interação com os pais também é importante, esse tipo de pesquisa acaba colocando mais pressão ainda sobre as mães e as responsabilizando de maneira desigual pelo desenvolvimento pleno dos filhos.

Portanto, pais, aproveitem essa notícia para vocês também darem muita atenção e carinho para seus filhos.