Lugar de bebê é no chão

Bebes brincando

Hoje li uma entrevista de Paulo Fochi, coordenador e professor do curso de especialização em Educação Infantil da Unisinos, no Rio Grande do Sul, publicada em 2013 pela Gazeta do Povo. Ele defende que o bebê não precisa de estímulos constantes, apenas de um ambiente seguro e propício para que ele explore seu entorno.

Leia também:
Os primeiros brinquedos do bebê
Dica de brinquedo: quebra-cabeça de madeira

“O bebê é curioso para descobrir o mundo, basta dar condições para que descubra. Isso implica que ele fique no chão, não naqueles balanços horrorosos”, disse Fochi na entrevista.

Essa frase acendeu uma luzinha na cabeça. Já vi mais de um pai ou mãe de primeira viagem meio perdido quanto ao que fazer com o bebê quando ele está acordado. Ficar com ele no colo? No carrinho? No bebê conforto? A resposta: chão, chão e chão.

No chão o bebê tem liberdade para movimentar braços e pernas, fortalecendo seus músculos. Deitar o bebê de bruços ajuda a firmar o pescoço. No início você pode colocá-lo nessa posição apenas por dois ou três minutos, ou de acordo com orientação do pediatra, e aumentar o tempo progressivamente. No chão o bebê tem um campo de visão diferente e isso estimula sua percepção. Brincar no chão também serve de treino para rolar e engatinhar.

Eu sempre coloquei meus gêmeos, que agora estão com 15 meses, para brincar no chão. Nem me lembro bem, mas acho que a partir de um mês já ficavam em seu tapetinho, com uns brinquedinhos ao redor.

Veja bem: não sou contra as cadeirinhas. Pelo contrário, usei mais de um tipo delas com meus filhos. Elas são uma mão na roda quando você precisa deixar a criança segura enquanto faz outra coisa, como falar ao telefone ou ir ao banheiro (aliás, isso rende assunto para outro post: a logística de ir ao banheiro quando se está sozinho com um ou mais bebês). Também ajudam quando você quer variar a posição do bebê. E aquelas que balançam ou vibram até podem ninar a criança até ela dormir. Lindo. Mas, para mim, elas são um recurso secundário.

Fuçando um fórum de discussão sobre maternidade na internet, me deparei com um depoimento de uma mãe que dizia sentir-se insegura em deixar seu bebê de sete meses no chão. Ela dizia que a criança vivia na cama dela e que tinha medo de que ela batesse o rosto no chão ao tentar engatinhar. Para mim é justamente o contrário! Perigo muito maior é a criança rolar e cair da cama.

Mães, pais, não tenham medo de colocar seus bebês no chão. Vocês não os estão abandonando ou os deixando em uma posição desconfortável. Dê muito colo para o seu filhote, sim, mas também permita que ele possa ficar um tempo livre, leve e solto. Basta providenciar um ambiente limpo, confortável (use mantas, edredons, tapetes de borracha ou EVA), longe o bastante de móveis ou outros objetos que podem machucar e ficar sempre de olho, claro. Lembre-se de que, de uma hora para outra, seu filho pode aprender a rolar ou alcançar distâncias que antes não conseguia, então a supervisão deve ser constante.

Foto: Toshimasa Ishibashi / 88x31

13 comentários sobre “Lugar de bebê é no chão

  1. Olá! Ja assisti algumas palestras com o professor Paulo e o admiro muito. Minha filha, que hoje tem 11 anos, cresceu no chão da nossa casa. Compramos um edredom grosso e macio e limitamos o espaço com os sofás. Ela fazia a maior festa! Caminhou cedo, com dez meses, inteiramente sozinha, quando achou que suas perninhas estavam firmes. Ficávamos muitas vezes com ela no chão e foi melhor do que qualquer cadeirinha ou (blwrgh) andador. Hoje grávida de gêmeos, já estou providenciando um edredom grande e fofo!

    Curtir

  2. Muito bom esse texto, pois percebo que os bebês que vão ao chão se desenvolvem bem mais rápido, tenho o exemplo de um bebê que a mãe nunca o deixava no chão ele engatinhou com um ano e dois meses, tenho tabêm bebês que engatinharam com seis meses. Os bebê mais novinhos astão na frente em todos os asppectos, isso sifnifica que lugar desses pequenos é realmente no chão.

    Curtir

  3. Amei esse post,pois sou educadora da rede de ensino infantil na cidade de Vinhedo, e este ano escolhi mais uma vez os pequenos do berçário.Adoro essa fazê de descobrimentos e aprendizagem!

    Curtir

  4. Adorei! Fico tão feliz em ler textos como este. Porque hoje só se fala em colo, na ânsia de derrubar o mito “colo vicia” as pessoas estão perdendo o bom senso, e bom senso e equilíbrio são tudo. É claro que bebê precisa de carinho, colo e aconchego, mas tb precisa de espaço, de oportunidade e estímulo. Meu filho foi um bebê de chão, como você não lembro bem, mas acho que com certeza com 2 meses já ficava no tapetinho, com sete já engatinhava na pracinha. Confesso que às vezes até me questiono se dei colo suficiente pra ele, mas ele amava o chão, amava ficar solto… até escrevi sobre isso no meu blog recentemente (www.quemaesoueu.com) ….
    Adorei o blog.
    bjs

    Curtido por 1 pessoa

    • Nossa, eu tenho a maior dificuldade em deixar meu bebê no chão, mas estou tentando aos poucos. Ele ficou na UTI com insuficiência respiratória por uma inflamação de pulmão assim que nasceu. Parece que é por conta disso que sempre foi muito sensível, assustado e chorão. Fica desesperado se eu sair de perto. Então quando coloco ele no chão, fico com ele! hehe
      Hoje mesmo coloquei ele no chão. Ficou uns 10min. Começa chorar, querendo colo!
      Já tem 7 meses e meio!
      Não é fácil. Não existe um manual. E o mais difícil para uma mãe é a pressão porque os bebês são diferentes uns dos outros, e só a gente que acompanha o tempo todo conhece muito bem.
      Ele é assim, um tanto sensível…
      Mas confesso que eu também me preocupo quando vejo que “uma mãozinha vai saindo do edredom e encostando no piso”… Sei lá…
      Não tenho TOC, tá?! rs

      Estou gostando de participar desse site e gostei do seu comentário!
      Agora vou lá no seu site, ler um pouquinho mais!
      Beijos!

      Curtido por 1 pessoa

      • Obrigada, Deise, fique à vontade! Você tem razão, não tem manual. Eu te aconselho a seguir seus instintos e respeitar a personalidade do bebê. Continue tentando colocar ele no chão em alguns momentos do dia. Mas, se sentir que ele não está à vontade, vai tentando outras coisas: cadeirinha, bebê conforto, colo, sling ou canguru caso sinta que ele precisa ficar mais pertinho de você…enfim, não acho que tem jeito certo ou errado, mas é o que eu faria. Abs

        Curtir

      • Deise depois de ter minha segunda filha aprendi isso que você falou, os bebês são diferentes e só a gente que convive conhece o nosso bebê e sabe das necessidades e particularidades dele. Venha conhecer o Qmae espero que vc goste! Beijos

        Curtir

  5. Pingback: A moda dos livros de colorir (e o que seu filho tem a ver com isso) | Cabeça de Criança

  6. Pingback: Lugar de bebê é no chão | Casa do Brincar

  7. Pingback: 3 brinquedos baratos, simples e caseiros | Cabeça de Criança

  8. Pingback: Os desafios e alegrias de criar filhos gêmeos | Cabeça de Criança

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s