Dicas para um desfralde sem traumas

3992212052_0db9db6c3b_z.jpg

O período que vai dos dois aos três anos é uma época de grandes mudanças. Geralmente é quando a criança desenvolve muito a fala, deixa de usar o berço e larga a mamadeira e a chupeta. E é também quando acontece um dos marcos mais importantes da primeira infância: o abandono das fraldas.

Mas muita calma nessa hora. Ninguém precisa começar a tirar a fralda assim que o filho completar dois anos. Além de cada indivíduo ter o seu tempo, essa ideia difundida de que a criança precisa estar usando o penico ou o vaso sanitário logo depois de comemorar o segundo aniversário não tem respaldo científico. Muitas crianças são vão conseguir ter controle da bexiga e do esfíncter lá pelos dois anos e meio, até quase três anos.

Meus filhos estão com dois anos e quase quatro meses e ainda não começamos o desfralde. Quer dizer, eu já mostrei o penico e de vez em quando os incentivo a sentarem nele.

Também sempre peço para avisarem quando fizerem xixi e cocô. Às vezes eles avisam e até pedem para trocar a fralda. Mas ainda vou esperar que deem sinais mais concretos para começar de vez o processo.

E, quando começar, pretendo seguir essas dicas:

– Espere a criança dar os sinais para o início do desfralde. Eles são: saber quando a fralda está molhada ou com cocô; avisar quando quer fazer ou está fazendo xixi ou cocô; sentir-se incomodado com a fralda e pedir para trocá-la; e ficar com as fraldas secas por um intervalo de pelo menos duas horas durante o dia. Um desfralde mais rápido e bem sucedido acontece quando a criança avisa que quer fazer suas necessidades antes de molhar ou sujar a fralda.

– Inicie o processo quando nenhuma outra mudança ou evento possivelmente estressante esteja acontecendo na vida da família. A chegada de um irmãozinho ou uma mudança de casa ou de escola são exemplos de acontecimentos suficientes para adiar o início do desfralde.

– Mesmo antes de iniciar o desfralde, converse sempre com seu filho quando for trocar a fralda dele e explique o que está fazendo, para ele entender o que são o xixi e o cocô e o que significa estar com a fralda suja.

– Você pode começar o treinamento usando um penico ou troninho ou direto no vaso normal, usando redutores de assento. Teste o que funciona melhor na sua casa. Geralmente começar com o troninho ou penico funciona melhor, porque a criança fica mais próxima do chão e sem medo de cair.

-Quando for iniciar o processo, deixe o penico/troninho em um lugar visível e de fácil acesso à criança. Mostre que aquele objeto é dela. Deixe ela brincar com ele, sentar de roupa se quiser, até se acostumar. Você pode também usar uma boneca ou bichinho de pelúcia para ajudar, colocando-o para “fazer xixi” no troninho de vez em quando.

– Crianças imitam. Se seu filho tiver um irmão mais velho, ótimo. Deixe que ele o veja usando o penico ou o vaso. Também ajuda se os pais usarem o vaso na frente do filho e explicarem o que estão fazendo.

– Você pode fazer um desfralde gradual, deixando a criança sem fralda por alguns períodos ao dia e usando-a em saídas e passeios, por exemplo, ou tentar um processo mais “radical”, trocando a fralda de uma vez por calcinhas e cuecas. Essa segunda opção pode resultar em uma transição mais rápida, mas prepare-se para mais acidentes.

– Existem no mercado algumas calcinhas e cuecas revestidas para ajudar nesse período de transição. Elas retêm alguma umidade, então a criança não se encharca se houver acidentes. Mas ela não é tão absorvente quanto a fralda, e por isso o pequeno percebe se ficou molhado. Ainda não as testei, mas pretendo experimentar quando chegar a hora. Mostre as calcinhas e cuecas e explique para a criança que ela está crescendo e agora vai usar essas peças de “menina (o) grande”, igual à mamãe ou o papai ou o irmão (a) mais velho (a).

– Ofereça o penico várias vezes ao dia, mas não obrigue seu filho a sentar-se nele. Convide, incentive, conte histórias. Mas nunca force. Se houver resistência, tente dar um livro ou brinquedo para ele manipular enquanto estiver sentado.

– Inclua o momento do troninho na rotina, levando a criança até ele ao acordar, depois das refeições, depois das sonecas e antes de dormir.

– Se seu filho faz cocô mais ou menos no mesmo horário todos os dias, tire a fralda dele quando estiver chegando nessa hora e ofereça o penico. Se ele se recusar, ponha a fralda e tente novamente em outro momento. Se a criança já sabe quando está prestes a urinar, e avisa, aproveite esse momento para oferecer o troninho.

– Se você tem um menino, ensine-o a urinar primeiro sentado. Deixe para ensiná-lo a urinar de pé, no vaso, depois que ele já tiver aprendido a controlar bem as necessidades.

– Nunca reprima ou brigue com a criança quando houver escapes. Apenas limpe e diga que está tudo bem. Coloque na criança roupas fáceis de colocar e tirar durante o período de treinamento.

– Elogie quando a criança conseguir fazer xixi ou cocô no troninho. Você pode usar um quadro de incentivos: separe uma cartolina ou painel e dê um adesivo para a criança colocar cada vez que acertar o alvo. Quando ela conseguir juntar um determinado número de adesivos, ela ganha uma recompensa.

– Quando seu filho começar a fazer as necessidades no penico e avisá-lo quando tiver vontade, você não precisa mais levar a criança até o banheiro em intervalos regulares ou ficar lembrando-a sobre o assunto a toda hora.

– Concentre-se no desfralde diurno em um primeiro momento. Quando a criança estiver acordando com a fralda seca ou com pouco xixi, você pode começar a treiná-la para o desfralde noturno.

– Peça para a criança fazer xixi antes de deitar-se para dormir. Deixe o penico próximo da cama, caso ela precise usá-lo durante a noite. Use protetores impermeáveis debaixo do lençol para evitar que o colchão fique molhado caso haja escapes. Se houver muitos acidentes, volte a colocar a fralda durante a noite e tente de novo depois de algumas semanas.

– Tenha paciência. O desfralde noturno pode levar muito mais tempo que o diurno e se estender até os quatro ou cinco anos. Se passar disso, consulte seu médico.

– Quando a criança passar do penico/troninho para o vaso convencional, você pode usar redutores de assento para que ela se sinta mais confortável. Também é bom colocar um banquinho ou outro apoio para os pés, para que ela se sente com uma postura correta.

– Há vários livros no mercado que tratam do assunto, como “Cocô no Trono” e “Cadê meu Penico?”. Aplicativos para celular e tablet, como o “Desfraldar” (para IOs e Android), também podem ajudar.

Daqui alguns meses eu conto como foi o processo aqui em casa e digo se essas dicas realmente funcionaram, na prática.

Fontes: Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, Faculdade de Medicina Johns Hopkins (EUA) e BabyCenter

Foto: Micah Sittig

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s